domingo, 27 de novembro de 2016

Competição e Confusão

  Estou lendo o livro No Contest, de Alfie Kohn (até onde sei nunca traduzido para o portugês - mas outro livro seu, Punidos pelas Recompensas, já foi traduzido). Uma possível tradução do título seria algo como "Sem Concurso: o Caso contra a Competição".
No Contest
Aqui uma tradução do resumo do livro segundo o Goodreads: "Sem concurso é a crítica definitiva da competição. Ao contrário da sabedoria aceita pela maioria, a competição não é básica para a natureza humana; Ela envenena nossos relacionamentos e nos impede de fazer o nosso melhor. Nesta nova edição, Alfie Kohn argumenta que a corrida para ganhar transforma todos nós em perdedores."

Não lembro quando exatemente comecei a me interessar pelo tema, mas lembro que Christopher McDougall fala contra a competição em Natural Born Heroes, o pessoal do Parkour é contra competições, o pessoal do MovNat foca em cooperação.

O livro é bem completo. Qualquer argumento que você lembrar do tipo "Ah, mas competição melhora X" ou "competição é boa para Y", o livro aborda e deixa claro (na minha visão) que não é verdade. Por exemplo, o livro deixa claro que participar de competições não melhora o desempenho de um grupo.

O livro diz também que "competição consigo mesmo" não é competição. Portanto, se você participa de corridas em busca de seu recorde pessoal, sem problema! Mas se participa buscando troféu, de categoria, aí o livro pode ser bem útil para você. Segundo o livro, pesquisas mostraram que gente com pouca autoestima é quem se dá melhor em competições.

Uma coisa que observei também é uma certa associação entre competição e confusão: doping, brigas entre torcidas, etc.


domingo, 20 de novembro de 2016

Exemplo de Movimento Primal/Paleo - 20/11/2016

Saí caminhando. Caminhei por um a dois minutos e depois comecei a correr leve. A corrida foi em ritmo Maffetone ou ainda mais leve, mas sem medir a Frequência Cardíaca, usando apenas a respiração como indicador. Isto é, se dava para correr tranquilo com a boca fechada, estava num ritmo bom.

Aos 11 minutos cheguei à Academia ao Ar Livre do Orleans. Lá me movi nos aparelhos disponíveis, mas não da forma que eles sugerem, claro. Sempre uso os aparelhos para fazer movimentos inspirados em Parkour e Calistenia. Ao lado da Academia tem um Jardinete com uma árvore que também gosto de escalar. É uma árvore baixa e segura. Não é meu objetivo me arriscar a cair.

Depois de 10 minutos entre a Academia e a árvore, comecei a voltar. Primeiro caminhando. Depois correndo levemente. E por fim caminhando mais um pouco. No trecho final de caminhada achei um local onde gosto de treinar cat walk (do Parkour). Mas hoje não estava com vontade a apenas me equilibrei em pé lá. Caminhei mais um pouco e foi o fim de treino, com 35 minutos de duração.





Receba as postagens deste blog por email