sábado, 23 de maio de 2015

Corrida-Transporte ou Corrida-Amiga ou Correr para o Trabalho: o básico

Recentemente recebi do Renato Mendes Rocha por Twitter um link para o  Manual de Deslocamento Ativo - Corrida como meio de Transporte (do grupo Corrida Amiga, um nome estranho para a Corrida-Transporte). Achei o manual um pouco complexo demais, mas útil. Porém, está cheio de erros nas partes de Nutrição (página 10) e Calçados (página 8). Pode jogar fora estas páginas.

 O básico para se praticar Corrida-Transporte é:

  • Ter uma mochila para guardar a roupa que se vai usar no trabalho.  Eu gosto muito desta aqui mas dependendo do volume de coisas que você carrega uma destas serve. As da Deuter são melhores porém mais caras.
  • Ter um lugar no trabalho para fazer a higiene antes de começar a trabalhar. De preferência com chuveiro. Mas sem chuveiro também dá, dependendo do seu trabalho. E o Erik Neves certa vez me deu a dica de se associar a uma academia somente para usar o chuveiro deles.
  • Planejar bem a rota. Se não for possível ir correndo toda a distância de casa até o trabalho, vá até certo ponto e de lá pegue um ônibus/metrô. Não gosto de ir de ônibus/metrô até o meio do caminho e de lá correr, mas alguns gostam. Também já deixei carro em um lugar e de lá fui correndo.

Pronto. O resto quem já sabe correr em ruas de cidades já sabe.

As fotos mais realista de Corrida-Transporte que achei foram as seguintes:

Fonte: http://theruncommuter.com/wp-content/uploads/2014/06/wpid-imag1188_1.jpg


Fonte: https://chasingmailboxes.files.wordpress.com/2012/08/dsc02495.jpg


Fonte: https://storycroft.files.wordpress.com/2014/02/josh-02.jpg

Fonte: http://static.wixstatic.com/media/e9c4dd_f9f61cc3c8574f7abe8f2e7418350d74.jpg_srz_p_359_520_75_22_0.50_1.20_0.00_jpg_srz no site Corrida Amiga com link para a matéria que conta a estória dos corredores das fotos.
PS: O erro principal na página sobre Nutrição é, na minha opinião, um excessivo foco em carboidratos. Sugiro a leitura do blog Dieta Low-Carb e Paleolítica, do Dr. José Carlos Souto, para entender melhor o assunto.

PS 2: O erro principal na parte sobre Calçados é  sugerir que o tipo de pisada (pronador, supinador, neutro) deve influenciar a escolha do calçado. Isto está ultrapassado, como você pode ler aqui.

terça-feira, 19 de maio de 2015

Curitiba Ecologic Half-Marathon 2015

"Meia-maratona Ecológica de Curitiba" (texto em português no fim)
This Sunday, May 17th, 2015, I ran the Curitiba Ecologic Half Marathon. It was the second edition of this half but my first time. Last year the course included two laps but this year it was only one lap as many people had complained.

The course is tough but fun. The weather was good enough: not hot, not too cold.

I was not well prepared so I decided to be very cautious. And it worked. I finished in 1:54 and with (almost) no pain. I have had only a little bit of pain on my right knee and on my left foot (almost a blister, I think). But that was probably because of the lack of training.

My friend Janary took these pictures around km 20.

I have met many friends after the race and this was the best part of the morning.

========

Neste domingo, 17 de maio de 2015, corri a Meia Maratona Ecológica de Curitiba. Fui a segunda edição desta meia mas foi minha primeira vez. Curitiba agora tem duas meias maratonas: uma que acontece entre julho e agosto (chamada apenas de Meia Maratona de Curitiba) e esta, chamada de Meia Maratona Ecológica. Por que a diferença de nome? Não sei. Os percursos são parecidos. Mas o fato é que a organização da Meia Maratona de Curitiba andou cometendo vários erros graves (segundo quem correu a última edição) e o pessoal da Meia Ecológica não.

No ano passado o percurso da Meia Ecológica era em duas voltas. Muitas pessoas não gostam disso e este ano fizeram um percurso em uma volta apenas. Eu gostaria de ter experimentado um percurso em duas voltas.

O percurso era difícil, claro. Afinal de contas, estamos em Curitiba. Muitas subidas e descidas. Mas foi bem divertido. Gostei muito de correr a Martin Afonso, por onde já passei tantas vezes de carro. No carro a gente nem percebe quanta subida e descida ela tem...

O clima estava ótimo: nem frio demais, nem quente. Nublado. Acho que estava uns 13 graus.

Eu não estava bem preparado então decidi ser cauteloso. E funcionou. Terminei em 1h54 e quase sem dor. Uma dorzinha no joelho direito, é verdade, mas nada demais.  Já melhorou (7 dias depois). Ah, e teve também um pouco de incômodo na sola do pé esquerdo (corri com meu Inov-8 Road-X-Treme 138). Achei que fosse uma bolha mas não era. Estes incômodos foram pela falta de treino, acredito.
 
Meu amigo Janary tirou estas fotos por volta do quilômetro 20. Lá estava o Glacymar (famoso nas corridas de Curitiba por incentivar os atletas) passando energia para todos. Deveriam ter um Glacymar em cada km! Ou então engarrafar seus gritos de incentivo :)

Encontrei e reencontrei muitos amigos depois da prova. Foi a melhor parte da manhã. 
 Agardecimentos especiais ao Vitor Nascimento da V8 Assessoria que me permitiu deixar minha mochila na barraca da V8 pois cheguei atrasado para a largada. O Vitor está fazendo Doutorado na UEL e é um trabalho bem interessante enconvendo Big Data e Coordenação Motora. 


domingo, 3 de maio de 2015

Pipocas nas Corridas

Por conta deste comunicado:



começaram discussões nos grupos de corrida de Curitiba e região:
Corridas de Rua Curitiba
"Gente. Assunto sério.
O Circuito das Estações não vai liberar a entrada de atletas sem número de peito e chip, os "pipocas".
Eu não concordo.
Esse é um dos esportes mais democráticos que existem. Temos a opção de fazer a inscrição ou não, mas ser barrados de correr não concordo mesmo.
Temos que fazer algum movimento contra essa decisão.
Se correr na pipoca, não usufrui da estrutura mas não poder correr eu acho demais.
Alguém sabe o que podemos fazer? 
Detalhe, estou inscrito, mas não acho certa essa postura."

Amigos da Corrida & Ciclismo
"Mais essa que absurdo nao vou falar nada sobre esses organizadores....."

A discussão que se seguiu foi a de sempre: alguns defendendo o direito de ir de pipoca. Outros, como eu, achando que não é legal ir de pipoca pois atrapalha quem pagou pela corrida.

O Felipe Telles lembrou deste post irônico do Pipo Carun: Em protesto contra a corrupção, corri na pipoca.

Minha opinião é a seguinte: eu quero apoiar quem empreende na área de corrida: lojas de tênis, fotógrafos, organizadores de prova, assessorias, etc.

Se eles cobram mais caro do que eu acho justo pagar (ou do que eu posso pagar), simplesmente não compro ou não uso o serviço. Mas não vou correr de pipoca, nem copiar fotos com marca d'água do site dos fotógrafos e postar no facebook, e muito menos roubar tênis de uma loja. E acho que o empreendedor tem todo o direito de cobrar o que ele quiser.


Receba as postagens deste blog por email