sexta-feira, 21 de março de 2014

Corrida do Rebouças - Unidos pela Vida 2014



Participei neste domingo 16 de março da Corrida do Rebouças. Foi minha terceira participação nesta corrida e meu pior tempo. Fiz os 10K em 45:58.  Bem pior do que meu resultado em 2013: 43:33. Eu até pensei em me esforçar mais mas achei que não valia a pena. Estava me sentindo menos em forma do que ano passado.

Neste domingo, diferentementemente dos dois anos anteriores, fez bastante sol e calor (pros padrões de Curitiba). Por causa da Copa, a prova, que normalmente acontece em maio, foi antecipada para março. E isto faz muita diferença aqui.

Como treinei muito pouco nas duas últimas semanas (por exemplo, na semana da prova fiz apenas 30 minutos de corrida na segunda), o tempo até que foi bom Fiquei em 85 entre 404, e em 13o. na categoria (resultados aqui).

Não consumi qualquer carboidrato antes e durante a prova. A ideia era experimentar não comer e correr relativamente forte. Antes da prova, em casa, apenas café com manteiga. Porque não consumir carboidrato? Porque quando consumo gel em provas minha pele do rosto fica horrível depois. Esta experiência deu certo. Minha pelo ficou muito melhor depois desta prova do que depois da Corrida de Pinhais, ano passado, em que usei bastante carboidrato.

Não tomei nada de água antes e durante a prova. Fiquei com sede, mas preferi não tomar. Tive certo receio de engasgar.

O bom desta prova é que o percurso é aferido. O ruim foi que teve um problema na largada. A princípio avisaram que os 5K largariam 7:55 e os 10K às 8:00.
Fui para a largada e alguém me disse para ficar mais atrás para não atrapalhar a largada dos 5K. Mas alguns minutos depois apareceu o Vitor da V8 Assessoria Esportiva (obrigado, Vitor, que deve ter feito esse serviço de forma voluntária) avisando que todo mundo ia largar junto. O problema é que eu estava atrás de um monte de gente dos 5K e tive que ir desviando por pelo menos 1Km.
Por sorte este ano eu não estava atrás de Recorde Pessoal (RP), se não ia ficar bem chateado. Ano passado, em que consegui meu RP, larguei lá na frente, mas sabendo que os 5K e os 10K iam largar juntos.

Esta prova é boa pra RP, mas acho que este ano menos gente conseguiu. Sei que o Luizz conseguiu (sub-45) e o Anderson Duran (sub-40) também.

Faltou dizer que nas duas semanas anteriores senti algumas dores no tendão de aquiles do pé esquerdo. Acho que foi por ter feito uma prova relativamente forte num domingo (o Revezamento Entre Parques) e na segunda logo depois ter feito uns tiros. Além disso, no Revezamento eu corri de Saucony Type A5. Estou achando que o drop de 4mm dele não é bom pra mim. Vou deixar de usar por um tempo (talvez pra sempre) em provas.

Por conta disso, na prova fui de New Balance Minimus Trail MT00. Não é um tênis bom para provas. O solado é macio demais, por ser para trilhas. Mas foi a decisão que tomei. Fiquei com medo de ir descalço e me machucar com restos das obras que estão acontecendo por causa da Copa. Foi uma boa decisão, pois no começo tive que ir pela calçada e sem tênis não ia dar certo. 

A minha chegada foi registrada em vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=v8I1UCyYb_o#t=31m35s

A média de batimentos durante a prova foi 181, com pico de 189.

Aqui minhas parciais Km a Km (exceto nos 2 primeiros Kms, em que o dedo falhou e não registrei a parcial do Km 1):
Tempo - Média de batimentos
9:15.9 - 178
4:23.5 - 181
4:26.7 - 179
4:42.5 - 181
4:54.4 - 181
4:46.8 - 183
4:31.1 - 181
4:49.9 - 182
4:10.5 - 183
Tempo no relógio: 46:01.3
Tempo oficial: 45:58


Mais fotos:




segunda-feira, 17 de março de 2014

Apresentação de Mark Allen ao livro de Phil Maffetone

APRESENTAÇÃO 

Bem-vindo ao "The Big Book of Endurance Training and Racing." Esperamos que a informação que você vai encontrar nestas páginas irá mudar a sua vida. Ela (esta informação) fez isso por mim quando eu comecei a treinar sob a orientação do Dr. Phil Maffetone .
 

Minha carreira de atleta começou em 1968, quando eu respondi a um anúncio num jornal local anunciando eliminatórias para uma equipe de natação. Na época, eu literalmente não sabia nadar mais do que o comprimento de uma piscina de vinte e cinco jardas sem ter que parar e recuperar o fôlego. Nos quase 30 anos desde então, eu tentei quase todas as teorias de treinamento e estilos de treinamento na busca da excelência atlética pessoal. A evolução para o meu programa atual não foi fácil. Os anos de treinamento regimentado de natação tinham enraizado em mim uma filosofia de treinamento muito tacanha, que era "fazer as coisas mais rápido". Se eu pudesse treinar uma distância maior, e treinar mais rápido, então eu iria certamente competir mais rápido. Ou assim eu pensava.

Meus resultados em competições graças a este tipo de programa foram medíocres na melhor das visões. "Fazer mais, mais rápido" realmente só funciona para aqueles tão talentosos que sua genética supera a loucura do seu treinamento e leva-os para a grandeza de qualquer maneira. Eu terminei minha carreira de natação de doze anos completamente desgastado, fisicamente e mentalmente. Eu também terminei sentindo como se eu simplesmente não tivesse alcançado o meu potencial . Mas, na época, eu não poderia colocar o saber o porquê.
 

Felizmente, foi-me dada uma segunda chance para explorar os limites de minhas habilidades atléticas. Em 1982, iniciei o que tem sido uma viagem dos sonhos através do mundo do triathlon. Nem sempre foi bom, no entanto. Meus anos de iniciação foram espelhados na minha carreira na natação. Devido especificamente à mentalidade da natação, "fazer mais, mais rápido", alguns grandes resultados foram separados por lesões e melhoras esporádicas. Mas ao contrário da natação, que não é um esporte de impacto, o preço do treinamento imprudente no triathlon não é só decadência mental, mas física também. Algo precisava mudar.


Neste momento, fui apresentado ao Dr. Phil Maffetone, que tinha desfrutado de uma boa dose de sucesso no treinamento de triatletas. Fui avisado que seus métodos iriam, provavelmente, parecer loucura no início, mas garantiram que eles realmente funcionavam. Isso foi em 1984. E, sim, na época sua filosofia de treinamento era quase completamente o oposto à minha abordagem "fazer mais, mais rápido". Agora é um novo milênio, e as suas técnicas de treinamento que antes pareciam loucas são quase universalmente aceitas como o único método que lhe permitirá atingir o seu pico de desempenho ano após ano. Usando programa de treinamento de Phil e consultando com ele ao longo dos anos, eu fui capaz de acumular uma longa lista de vitórias em triathlon internacionais, incluindo seis títulos no Ironman Havaí,  o último dos quais veio aos trinta e sete anos de idade!

Em "The Big Book of  Endurance Training and Racing", Dr. Maffetone detalha a filosofia de treinamento que eu usei ao longo de toda a minha carreira no triathlon. Se você já usou essas ferramentas e técnicas, você sabe que elas funcionam. Se você não tiver usado, bem-vindo para o que será sem dúvida um novo nível de desempenho atlético. Aproveite o tempo para seguir o programa dele. Deixe o seu ego na porta, porque no curto prazo pode parecer que você não está indo a lugar nenhum. Mas a longo prazo, eu garanto que você vai ver os resultados que você sabe que seu corpo é capaz de fazer.Mark Allen é seis vezes campeão do Ironman Havaí e foi nomeado pela revista Outside o homem mais em forma do mundo.
Mark Allen
Fonte: http://www.markallenonline.com/





FOREWORD

Welcome to The Big Book of Endurance Training and Racing. Hopefully, the information you find in these pages will change your life. It did for me when I began training under the guidance of Dr. Phil Maffetone.


My athletic career started in 1968 when I answered an ad in the local paper announcing swim-team tryouts. At the time I literally couldn’t swim more than the length of a twenty-five-yard pool without having to stop and catch my breath. In the nearly thirty years since, I have tried almost every training theory and coaching style in the pursuit of personal athletic excellence. The evolution to my present program was not easy. The years of regimented swim coaching had ingrained in me a very narrow-minded training philosophy, which was to do things faster. If I could just train with more yardage, and train faster, then I would most certainly race faster. Or so I thought.
 

My race results from this type of program were mediocre at best. “Do more, faster” really only works for those so talented that their genetics override the lunacy of their training and take them to greatness anyway. I ended my twelve-year swimming career completely burned out, physically and mentally. I also ended it feeling like I just hadn’t reached my potential. But at the time, I couldn’t put my finger on why.
 

Fortunately, I was given a second chance to explore the limits of my athletic abilities. In 1982, I embarked on what has been a dream trip through the world of the triathlon. It wasn’t always smooth, though. My initiation years mirrored my swimming career. Due specifically to the swimming mentality, “Do more, faster,” a few great results were separated by injuries and sporadic improvement. But unlike swimming, which is not an impact sport, the price of unwise training in triathlons is not only mental decay, but physical as well. Something needed to change.
 

Just about this time, I was introduced to Dr. Phil Maffetone, who had enjoyed a good deal of success training triathletes. I was warned that his methods were probably going to sound crazy at first, but assured that they really worked. That was 1984. And, yes, at the time his philosophy on training was almost completely opposite to my “do more, faster” approach. Now it’s a new millennium, and his training techniques that once seemed crazy are almost universally accepted as the only method that will allow you to reach your peak performance year after year. Using Phil’s training program and consulting with him over the years, I have been able to rack up a long list of international triathlon victories, including six Ironman Hawaii titles, the last of which came at age thirty-seven!
 

In The Big Book of Endurance Training and Racing, Dr. Maffetone details the training philosophy that I have used throughout my triathlon career. If you have used these tools and techniques, you know they work. If you haven’t, welcome to what will undoubtedly be a whole new level of athletic performance. Take the time to follow his program. Leave your ego at the door, because in the short term it might seem like you aren’t going anywhere. But long term, I guarantee you will see the results you know your body is capable of.


Mark Allen is a six-time Ironman Hawaii champion and was named by Outside magazine the fittest man in the world.

sábado, 15 de março de 2014

Treinamento de Esportes de Resistência (Endurance) por Phil Maffetone

Ontem estava relendo as primeiras páginas do livro The Big Book of Endurance Training and Racing, de Phil Maffetone, e quis compartilhar algumas coisas.

Aqui vão alguns trechos:
  • Comprometimento e dedicação ao seu esporte não podem ser alcançados sem planejamento dedicado.
  • O caminho de sucesso para o treinamento e a competição é relativamente simples. Inclui ter uma estratégia clara com objetivos de longo e curto prazo, monitorar o progresso para garantir que seu plano está funcionando e para prevenir o excesso de treino e, claro, nutrição adequada.
  • Minha filosofia geral com relação a resistência (endurance) contém quatro pontos-chave:
    1. Construa uma boa base aeróbica. Esta fundação física e metabólica essencial ajuda a realizar várias tarefas importantes: previne lesões e mantém um corpo físico equilibrado; aumenta a queima de gordura para stamina aumentada, perda de peso, e energia sustentada; e melhora a saúde geral nos sistemas imune e hormonal, intestinos e fígado, e em todo o corpo.
    2. Coma bem. Alimentos específicos influenciam o sistema aeróbico em desenvolvimento, especialmente os alimentos consumidos ao longo de um dia típico. Em geral, a dieta pode influenciar significativamente os estados, de boa forma e saúde, físicos, químicos e mentais do seu corpo.  
    3. Reduza o estresse. Treinamento e competição, combinados com outros fatores de estilo de vida, podem ser estressantes e afetar negativamente o desempenho, causar lesões, e mesmo levar a nutrição pobre pois podem atrapalhar a digestão e absorção normal dos nutrientes.
    4. Melhore a função cerebral. O cérebro e o sistema nervoso inteiro controlam virtualmente toda a atividade atlética, e um cérebro mais saudável produz um melhor atleta. Função cerebral melhorada ocorre a partir de comer bem, controlar o estresse, e através de estimulação sensorial, que inclui treinamento adequado e respiração ótima.


No livro ele explica as seguinte sugestões:
  • Foque em queimar mais gordura como energia, em vez de apenas carboidratos (glicose).
  • Treine mais lento, permitindo que seu sistema aeróbico aumente a resistência de forma que você possa competir mais rápido.
  • Não use calçados de corrida caros, muito protetores (built-up); em vez disso, use os calçados de treinamento e competição mais planos, menos protetores possíveis, para prevenir lesões nos pés e nas pernas.
  • Não se alongue; em vez disso, você pode obter flexibilidade significativa através de aquecimento e desaquecimento ativos, sem o risco de lesão que pode acompanhar o alongamento.
  • Consuma um equilíbrio de gorduras na dieta para ajudar a construir resistência, reduzir inflamação, e melhorar a função cerebral.
  • Fique longe dos carboidratos refinados que podem reduzir a energia de resistência, atrapalhar o importante equilíbrio hormonal, e armazenar gordura corporal em excesso.
  • Passe tempo no sol sem protetor solar ou roupas protetoras para obter mais vitamina D para melhorar a performance atlética.

Mark Allen (à direita), o principal atleta treinado por Maffetone (foto aqui). 



Além disso, ele diz:
  • Saiba que idade não é barreira para o desempenho. É possível ficar mais rápido aos quarenta, cinquenta, e até mesmo sessenta anos - com queima de gordura melhorada e melhor funcionamento dos músculos de contração lenta.
  • Seu foco deve ser sempre de longo prazo.
  • Todo atleta tem necessidades únicas e nenhum programa específico vai funcionar para todos.
  • Meu estilo como treinador sempre foi ajudar os atletas a serem seus próprios treinadores, fornecendo-os feedback objetivo. Eles se treinavam com minhas informações, o que os ajudava a se tornarem mais intuitivos e instintivos em relação a seus corpos.

Uma coisa de que eu particularmente gosto nos textos do Maffetone é a distinção clara entre "boa forma" e "saúde". Uma pessoa pode estar em boa forma  (por exemplo, fazer 10K em menos de 40 minutos, fazer uma maratona em menos de 3h) e não ter saúde (estar sempre se lesionando, ficando gripado com facilidade, etc.). E não acho que precise ser assim. Vejo tanta gente se lesionando e achando que é assim mesmo, que faz parte da corrida. Eu, quando me lesiono, ou fico gripado, procuro tentar identificar o que fiz de errado.

E você, o que acha?

quarta-feira, 5 de março de 2014

8o. Revezamento Entre Parques (2014) - Relato

O 8o. Revezamento Entre Parques (2014) (ver algumas fotos aqui) aconteceu este ano (por conta da Copa) bem cedo, no dia 23/02.

Gosto muito desta prova por ser uma prova de revezamento, ser gratuita e, ainda por cima, destacar o que acho de melhor em Curitiba: seus parques.

Minha equipe foi formada por Gora, eu, Aramis e Michel:

Michel, Aramis, Adolfo e Gora

Gora e eu somos do Positivo Run e Aramis e Michel são do Grupo Papaléguas (a Gora criou o grupo e eu também participo).  Por isso nossa equipe se chamou "Papaléguas - Positivo Run". É sempre bom correr com os amigos.

Aconteceu um "pequeno" problema nesta prova. Eu ia correr o primeiro e o segundo trecho. Por isso, na tarde anterior, fui buscar o número de peito meu e da Gora com o Aramis, assim como o bastão de revezamento. Eu ia entregar na hora da largada. Mas acordei atrasado. Gora largou sem número de peito e sem bastão. Entreguei pra ela por volta do km 5, quase no fim do trecho dela. Apesar disso, registraram nosso tempo. Perdemos uns 3 minutos do tempo líquido. Mas a equipe me perdoou :)

Por conta da pressa, não coloquei meia. Corri com o Saucony Grid Type A5. Tive uma bolha logo no começo. Com meia não teria acontecido. Corri o segundo trecho (4km segundo a organização) em 18:48 (ver resultados aqui). Fiquei satisfeito, afinal era uma boa subida.

Fiz a prova em jejum. Não tomei nem um café (afinal estava com pressa). E percebi que não me fez falta. Mas eu tinha comido algo 4h antes da prova, de madrugada.

A próxima prova será a Corrida do Rebouças, o melhor 10K de Curitiba. Mas acho que este ano não vou tentar recorde pessoal.

Outros relatos da prova:

Fotos da Vivo Esportes estão em http://vivoesportes.com.br/corridas/eventos/2014--8-corrida-de-revezamento-entre-parques (nossa equipe foi a 873):

Fotos da Foco Radical: https://www.focoradical.com.br/prova.php?path=2014.02.23_entre_parques_cwb


Depois da chegada no Parque Tanguá, tirei o tênis


Eu no Parque São Lourenço

Michel

Eu no Parque São Lourenço

Aramis
 

Receba as postagens deste blog por email