terça-feira, 27 de março de 2012

Corrida da SMELJ em 18 de março de 2012



Só hoje (27.03.2012) consegui algum tempo para escrever este relato.

Participei da Corrida da SMELJ em 18 de março de 2012. Foi uma prova excelente para mim. Bati meu recorde mundial pessoal nos 10km: 48:40 (quarenta e oito minutos e quarenta segundos). É muito, sou lento, mas faz apenas um ano que corro (comecei em abril de 2011) e para mim é uma grande vitória, principalmente porque consegui já na segunda prova do ano vencer o Desafio Caixa Contra-Relógio Sub50 nos 10km.



Além disso, sigo firme na minha preparação para a Meia-Maratona de Curitiba, meu principal objetivo em 2012. Neste sábado, fiz um treino longo de 20km. Cometi um erro: corri na calçada quase todo o percurso pelo lado direito da rua. Resultado: estou com dores leves apenas no joelho esquerdo. Foi meu treinador João Batista quem me alertou para isso. Lição aprendida: se vai fazer um longo, planeje a rota usando os dois lados da rua ou usando um percurso de ida e volta.


domingo, 11 de março de 2012

Relato da 8a. Corrida Noturna Unimed Curitiba

Ontem (10/03/2012) participei da 8a. Corrida Noturna da Unimed Curitiba.  Foi excelente. Ainda mais porque corri descalço pela primeira vez a distância de 10km. E ainda por cima numa prova noturna.

Tive certo receio de correr descalço numa prova noturna. Por isso levei meu Vibram Five Fingers (VFF) KSO na mão, caso precisasse. Mas não precisei.

Várias pessoas notaram. Perguntaram se eu estava pagando promessa (disse que não), onde estavam meus tênis (mostrei os VFF que estavam na mão). Mas ninguém me xingou :)

E não fui o único descalço. Nos 5km o @caio1982  também estava descalço.

E, nos 10km, havia um Golden Retriever (saiba mais sobre este Golden corredor nesta matéria da Gazeta do Povo). Tudo bem que ele não estava inscrito. Mas, somando nós três, foram 8 "patas" no chão!


Tive alguns problemas. Primeiro, cheguei atrasado e tive dificuldades para estacionar. O trânsito estava horrível. Quase perdi a largada. Achei um lugarzinho a 1km de distância e fui correndo. Mas consegui chegar a tempo.

O segundo e o terceiro problemas foram boa parte culpa minha. Como estava lotado e cheguei atrasado, larguei do fundão, junto com o pacer de 7 min/km. Só que meu ritmo está mais para 5 e meio/km. Portanto, enfrentei muito tráfego no começo (primeiros 2km) da corrida. 

Além disso, o percurso misturava os corredores da corrida dos 5km com a dos 10km em alguns pontos. Isto é, em boa parte do percurso eram só os corredores de 10km (que largaram antes). Mas em alguns momentos a rua foi dividida pelos corredores das duas distâncias. Era muita gente para pouco espaço. Bom para quem vê a corrida como uma festa. Ruim para quem quer baixar seu tempo. Como meu principal objetivo era completar a corrida, não vi tanto problema na superlotação. Em outras corridas tentarei baixar meu tempo, pois estou participando do Desafio Sub-50 nos 10km da Revista ContraRelógio .

O terceiro problema foi com o chip. O chip de uso único é muito bom para quem corre de tênis. Mas para quem corre descalço é um problema. Tentei inovar, prendendo o chip com um esparadrapo no pé. Não deu certo. Com o passar dos quilômetros o esparadrapo foi se soltando. Mais de duas vezes parei para prendê-lo. Até que desisti e levei o chip na mão. Bem mais prático. Só precisei me abaixar quando passava por uma tábua de medição. Mas acho que deu certo, pois recebi o meu tempo por SMS.

Contabilizando os aspectos negativos e positivos, foi uma excelente prova. Não esquecerei jamais.

E, para quem acha que correr descalço é loucura, é para machos (como alguns falaram), tem que ver isto aqui. Isto sim é coragem!

PS: É sempre bom lembrar que comecei a correr no Grupo de Pais e Mães Corredores do Colégio Positivo, sob a orientação do excelente professor João Batista, que também treina o grupo de corrida do Clube Santa Mônica

PS2: Meus problemas com o chip me fizeram lembrar deste post. Correr descalço com um esparadrapo e um chip no pé (esquerdo) não é a mesma coisa que correr apenas descalço. Eu ficava preocupado em verificar se o chip estava caindo, ficava olhando para o pé. E a sensação de um esparadrapo sobre o pé não é nada agradável.

International Barefoot Running Day 2012 em Curitiba-PR

A Barefoot Running Society vai promover o International Barefoot Running Day no 1º domingo de maio. Neste ano será no dia 6. 

Pretendo organizar alguma coisa aqui em Curitiba. Pode ser uma Oficina de Corrida Descalça, como aconteceu em 2010.

Alguém tem interesse em participar? e sugestão de local?

Deixe nos comentários.


domingo, 4 de março de 2012

Não-queniano (relato de corrida descalça em Curitiba)

Hoje fiz minha primeira corrida do ano. 4,5km na rua, em Curitiba, descalço pela primeira vez (em corridas).

O trajeto está em
Muita descida no começo. Foi difícil. Em um momento chutei o chão de leve mas não me machuquei.
Sei que tenho muito ainda a aperfeiçoar, mas acho que fui bem.

Vanderlei Cordeiro de Lima, de boné


O tempo foi 21.53 (o tempo do Runkeeper está errado pois esqueci de desligar).
Bom para mim, que sou apenas um professor que corre há menos de um ano.
Não sei a minha colocação relativa. A prova era sem chip.

Medalha da Corrida da Medula Óssea 2012

Vanderlei Cordeiro de Lima (bronze na Maratona http://www.vanderleidelima.com.br/site/ ) estava lá. Perguntei a ele se ele correu descalço na infância. Ele disse que não.
Falei para ele sobre os quenianos, sobre correr descalço fortalecer a musculatura dos pés, etc. Perguntei se ele achava que isso seria uma das causas do sucesso dos quenianos.

Parque Tanguá

Ele acha que não. Falou que isso de correr descalço funciona para os quenianos, mas que os quenianos só correm descalços porque não tem outra alternativa e assim que podem correr de tênis só correm de tênis. 

No fim, perguntou para mim: você vai correr descalço? (eu estava descalço).
Respondi que sim. E, enquanto eu saía, pois ele estava indo atender um grupo, ele falou: Mas você não é queniano!

Pois é, acho que a partir de agora vou me intitular corredor não-queniano.

PS: Durante a corrida ultrapassei o Vanderlei. Ele largou na frente e eu larguei bem no fundo. Mas acho que ele estava acompanhando alguém porque ele estava bem lento.

PS2: É sempre bom lembrar que comecei a correr no Grupo de Pais e Mães Corredores do Colégio Positivo, sob a orientação do excelente professor João Batista, que também treina o grupo de corrida do Clube Santa Mônica.

PS3: Eu apareci em um post com um belo relato da corrida em outro blog.




Receba as postagens deste blog por email